Páginas:
Ações
  • *

    24 mensagens

  • 01 Jan 2018, 13:16 »
    Projeto da Semana #12

    O projeto selecionado foi Harus, criado pelo membro . É um RPG feito no RPG Maker VX Ace.


    ENREDO: 2Por Corvo: Aparentemente o enredo é bem elaborado, as cenas foram pensadas nos detalhas. Entretanto a narrativa não é eficiente. Outro ponto que sempre friso: mesmo depois de cinco minuto o jogador não sabe o que está acontecendo, isso faz com que qualquer um perca o interesse por um jogo caso ele não tenha mais nada a oferecer. A introdução é muito extensa e, em determinada parte, cai-se em meio a uma batalha. O jogador passa a controlar um soldado que precisa distribuir machadas sem objetivo aparente.
    Por Mistyrol: Confesso que eu fiquei um tanto decepcionado com a forma que o enredo é contado. A maior parte da introdução poderia ser resumida em um pequeno texto, ficaria mais bonito e levaria menos tempo. As informações são muito desconexas e, mesmo que os dois mundos tenham uma conexão mais explícita no futuro, o jogador fica perdido a maior parte do tempo.
    Por Alisson: O mundo do jogo aparenta ter sido bem desenvolvido, porém a introdução é bem confusa. Ocorrem diversas transições de um lado e de outro, o que me deixou sem entender o que estava acontecendo muitas das vezes. No entanto, parabenizo o autor pelo desenvolvimento da trama. Me pareceu deveras interessante.

    PERSONAGENS: 2Por Corvo: Percebi muito cuidado do autor quanto a movimentação dos personagens em cena. Porém a construção dos mesmos é um tanto rasa. Quando se apresenta vários personagens em um curto prazo, a apresentação de cada um precisa ser forte para demarcar seu caráter - porém isso nunca é recomendado. Apesar de a variedade de personagens representar uma variedade de opções, sou dos que defendem que quanto menos personagens uma narrativa possui, mais foco e profundidade ela terá.
    Por Mistyrol: Eu particularmente gosto de jogos que ofereçam uma variedade de personagens para o jogador se identificar, mas no caso de Harus, apesar de ter muitos personagens eu acabei não curtindo a ideia. Não adianta ter diferentes opções quando todas elas são rasas e com esteriótipos forçados.
    Por Alisson: Existe uma gama de personagens no jogo, e isso é ótimo. No entanto, ainda falta algo neles que os tornem únicos. Uma característica especial, uma motivação, medos, ambições. Algo que os faça tomar decisões sem que seja algo muito forçado. Deixo esta dica para que o autor trabalhe neles, caso queira.

    MAPEAMENTO: 2,5Por Corvo: Este parece ser o ponto forte do jogo e por isso serei bem chato aqui. A maior parte das pessoas gosta desse estilo de mapeamento realista. Possuo uma lista de argumentos sobre como esse estilo não se encaixa no RPG Maker, mas vou me ater aos pontos técnicos. Primeiro, excesso de detalhes. A preocupação com a beleza do ambiente leva o autor a detalhar o máximo possível seus cenários. Isso faz com que as áreas que devem ser limpas pareçam vazias. O terreno se mistura com os objetos devido às texturas escolhidas e acaba chamando mais atenção do que deveria. Como todo bom panorama, a maioria dos mapas possui falhas na passabilidade.
    Por Mistyrol: Os mapas são bonitos e bem ambientados, mas como a maioria dos projetos que utilizam do parallax mapping, as passabilidades estão mal distribuídas. Além disso, os gráficos parecem esticados demais, a transformação fez com que eles perdessem a qualidade e em muitos casos não combinassem com o restante dos elementos.

    Por Alisson: A princípio o cenário me agradou bem, no entanto notei alguns erros de passabilidade em diversos cenários e me frustrou não poder passar por baixo das coisas, como árvores. Alguns gráficos foram aumentados e ficaram com Bilinear Filtering, o que não ficou muito bom. E isto está presente em diversos outros casos.

    INTERFACE: 1,5Por Corvo: Usar o menu padrão quando se detalha todo o resto do jogo é desatenção. Ao menos tenho de concordar que mais vale esse estilo simples que menus super elaborados e ilegíveis.
    Por Mistyrol: Já vi interfaces piores, assim como já vi interfaces mais trabalhadas. O menu padrão do RPG Maker não me parece uma boa escolha. Mesmo que o projeto não precise de outras opções, deixar o menu padrão me parece um pouco preguiçoso da parte dos desenvolvedores.
    Por Alisson: Devo dizer que poderia haver um esforço maior nesta parte. O menu padrão não é tão ruim, mas com toda a certeza não ajuda a dar uma cara única para o jogo.

    JOGABILIDADE: 1Por Corvo: Infelizmente o autor optou por usar um dos melhores sistemas de batalha ativa do RPG Maker -
     embora eu também discorde completamente do uso destes -, mas não soube aproveitá-lo. As batalhas são apenas cenas nas quais o jogador aperta aleatoriamente as teclas de ataque. Nem é preciso direcionar o personagem para que alguns golpes acertem.
    Por Mistyrol: Não há dúvidas de que essa é parte mais falha do projeto. A primeira batalha que o jogador precisa enfrentar não passa de um caos, não existe uma estratégia diferente além de apertar repetidamente os botões de ataque até alguma coisa acontecer. As demais batalhas seguem o mesmo estilo e isso é um pouco cansativo. Falando em cansativo, a movimentação dos personagens é lenta demais, segurar o botão de correr equivale ao caminhar padrão do RPG Maker.
    Por Alisson: A primeira batalha possui tudo para ser uma guerra épica no estilo de Senhor dos Anéis, exceto que o balanceamento não ajuda muito. Você pode simplesmente pressionar o botão de atacar repetidamente e tudo se resolve. O movimento está deveras lento, o que não é um problema grande, mas prejudica em batalhas. E novamente, há falta de balanceamento. Morri deveras vezes para o primeiro inimigo que encontrei após a introdução e isso desanimou bastante.

    TRILHA SONORA: 3Por Corvo: A trilha sonora é boa, mas falta alguma coisa. Eu diria que é estilo, uma uniformidade nas melodias.
     Algo que, ao ser ouvido, lembre o jogo imediatamente. A introdução começa com uma espécie de iodel e termina com o que chamo de típicas sinfonias épicas.
    Por Mistyrol: Gostei do que foi apresentado. As músicas são bonitas e se encaixam de maneira harmoniosa nas cenas do jogo, mas senti falta de algo mais chamativo, fora dos padrões.
    Por Alisson: A trilha sonora foi bem selecionada e utilizada nos momentos certos. Saliento que poderia haver um balanço no volume entre a trilha, os sons de efeito e a música de background, fora isso não tenho nada a dizer.

    NOTA GERAL: 4Por Corvo: Joguei a versão em português e devo dizer que é um projeto com grande potencial, mas falta uma direção no desenvolvimento. Jogos cujos mapas são totalmente criados com panoramas costumam ter tamanho considerável, então fica um alerta para que haja atenção. O desempenho também é uma consequência disso, em meu notebook tive problemas em todas as cenas de batalha. E devo dizer que perguntar o jogador se ele quer iniciar em tela cheia é louvável. Não deveria, é outro detalhe simples, mas como a maioria dos jogos sequer cogita a possibilidade de uma pergunta educada, vale a pena mencionar.

    Por Mistyrol: Antes de mais nada eu preciso dizer que o marketing do jogo é melhor do que a própria execução. Quando passei pelo tópico do projeto eu confesso que fiquei muito empolgado para jogar, mas quando finalmente o fiz acabei não atingindo minhas expectativas. Eu joguei a versão em inglês da demo, e eu devo dizer que seria melhor cancelar essa versão até ter uma pessoa fluente para trabalhar na tradução. As frases estavam em grande maioria mal formuladas e era possível ver o bom e velho Google Tradutor implantado no meio de tudo. Além disso, na cena onde o protagonista recebe o colar de presente, a amiga/namorada  dele joga um "espero que goste" no meio do inglês. A ideia é boa e eu acredito que tem tudo para dar certo, mas o jogo ainda precisa ser repensado, revisado e aprimorado. São pontos que parecem pequenos, mas tiram a vontade do jogador em continuar jogando.
    Por Alisson: Joguei a versão em inglês e, como leciono na área, fiquei deveras desapontado. Está quase impossível de se ler alguma coisa sem se deparar com um erro gritante. Acho que seria melhor procurar alguém fluente ou com experiência na linguagem para trabalhar numa localização. O jogo possui uma ótima apresentação e introdução, não esperava ouvir vozes quando joguei. Infelizmente não posso dizer o mesmo quanto ao resultado apresentado.

    Gostaria de dizer que o jogo ainda não possui uma identidade artística. A maioria dos gráficos são misturados, alguns altamente saturados e outros desprovidos de cores. Não há um esquema de colorização, um estilo próprio para o jogo. Eu valorizo muito estes aspectos sempre que jogo algo, e deixo aí esta dica para os desenvolvedores. A introdução poderia ter uma opção de pular, isso me fez parar de jogar assim que morri umas três vezes e desisti de passar por tudo novamente.

    No geral, é um bom jogo. Tem tudo para ter sucesso e desejo uma boa sorte para os desenvolvedores. Não desistam e se mantenham de pé, vão desenvolvendo com calma e, corrigindo os erros citados, tenho certeza de que farão um bom jogo.

    Dadas as avaliações, este jogo foi categorizado como RANK D !

  • *

    24 mensagens

  • 08 Jan 2018, 16:34 »
    Projeto da Semana #13

    O projeto selecionado foi Nictofobia, criado pelo membro . É um jogo de suspense criado no RPG Maker MV.


    ENREDO: 4.5Por Corvo:  Infelizmente não pude terminar a Demo - explico o motivo adiante. Porém, pelo que vi, o enredo me parece muito bem construído. A introdução é magistral, mas tenho que comentar um ponto específico que sempre me desagrada: jumpscares. Há quem os defenda ferrenhamente, mas por mais que eu pense sobre, não consigo os ver com bons olhos. Dá-se uma desculpa qualquer para assustar o jogador - nada contra o susto, este pode ser útil quando bem construído. O que me parece é que essa ferramenta não passa de um Deus Ex Machina disfarçado para forçar o jogador a tomar certas decisões por nenhuma razão relevante.
    Por Mistyrol: O enredo me parece ter sido bem estruturado, apesar de um pouco previsível. A introdução contada através de imagens, sem palavras, foi uma sacada muito boa e ainda por cima foi muito bem executada. No entanto, fico no aguardo para que aconteça algum plot twist no decorrer do jogo para que ele ganhe ainda mais personalidade.

    PERSONAGENS: 1.5Por Corvo: Todos os personagens são iguais. Não há personalidade, não há caráter, apenas diálogos - por vezes,
     com erros gramaticais - despejando informações com rostos diferentes, pra variar.
    Por Mistyrol: Todos os personagens são meio parecidos. Apesar de cada um deles ter características próprias (que ficaram visíveis de uma forma errada), no fim das contas eles são igualmente apáticos. O protagonista, que deveria ser cheio de personalidade é o que menos me chamou a atenção.

    MAPEAMENTO: 1Por Corvo: Após ver uma introdução executada com tamanho esmero, não consigo expressar minha decepção ao ver o mapeamento do jogo. Se o autor optasse por seguir com o estilo das ilustrações, o jogo teria um visual memorável, entretanto, ele optou por usar panoramas vazios, embora tenha tentado produzir cenários detalhados. Vale lembrar que o uso desse tipo de mapeamento obliterou por completo o desempenho do jogo. Não consigo acessar o mapa após a floresta simplesmente porque meu notebook não possui memória o suficiente para carregá-lo.
    Por Mistyrol: Os mapas exteriores são um pouco — ênfase no pouco — melhores do que os interiores. Acredito que o ponto que mais deva ser revisado é o tamanho. Todos os mapas são muito maiores do que deveriam, o que faz com que eles fiquem vazios e chatos de explorar. As casas parecem ter sido feitas por um único arquiteto e um único decorador.

    INTERFACE: 1,5Por Corvo: A fonte não colabora muito com a leitura dos textos. Já que o design do jogo segue um estilo ilustrado, penso que faltou adaptar a windowskin e os ícones do mesmo. Dos menus e janelas, não há muito o que dizer.
    Por Mistyrol: Se o desenvolvedor tivesse seguido o mesmo estilo da introdução e aplicado em uma interface para o jogo, chamaria muito mais a atenção. Entendo que esse tipo de jogo não requer menus detalhados e cheios de opções, mas não custa nada tentar sair do padrão da engine.

    JOGABILIDADE: 2.5Por Corvo: Como dito antes, meu notebook não suportou o jogo para que eu pudesse observar melhor a jogabilidade, mas achei interessante o fato do personagem não poder permanecer em áreas escuras por muito tempo.
    Por Mistyrol: Receberia mais pontos se o desempenho dele não fosse tão ruim. Eu adoro jogos que envolvam puzzles e um certo mistério, mas é preciso pensar em diversos fatores para eles darem certo. Fazer o jogador ficar indo e voltando entre os vilarejos não é uma boa ideia quando o jogo conta com mapas exageradamente grandes e quando o lag faz você esperar cerca de um minuto só para mudar de mapa. O ponto alto, sem dúvidas, foi o sistema de nictofobia.

    TRILHA SONORA: 3.5Por Corvo: Do que vi - ou melhor, ouvi - a sonoplastia está excelente. Encaixa-se bem nas cenas, mas senti falta de estilo. Algo que soe como a identidade do jogo.
    Por Mistyrol: Pelo pouco — mais uma vez, ênfase no pouco — que foi apresentado, as músicas foram bem selecionadas e muito bem aplicadas. Contudo, senti falta de uma variedade, durante a demonstração toda eu tive a impressão de estar ouvindo a mesma música.

    NOTA GERAL: 2.5Por Corvo: Quanto ao tamanho do jogo, por se tratar do RM MV, não tenho do que reclamar, creio que esteja no tamanho mediano. Repito que o desempenho do projeto está deplorável, se não impossível. Entretanto é um jogo com estilo próprio - embora tenha semelhantes. Gostei da forma como começa, mas aparentemente o autor se perdeu durante o desenvolvimento. Penso que recriá-lo partindo-se da introdução seria uma excelente opção. De toda forma, aguardo por atualizações.

    Por Mistyrol: O jogo tem tudo para chamar a atenção, mas precisa ser revisado o quanto antes. A premissa é ótima, e eu tenho a impressão que faltou apenas um direcionamento na hora de desenvolver. O desempenho precário prejudica e muito na hora de testar, e eu confesso que só não desisti de jogar porque queria finalizar a demo para poder fazer uma avaliação mais abrangente. Um conselho que eu posso deixar é para repensar os puzzles. Eles são bons e também são 'difíceis' na medida certa, mas por outro lado são cansativos demais, principalmente o de procurar pelas crianças.

    Dadas as avaliações, este jogo foi categorizado como RANK D !

  • *

    24 mensagens

  • 15 Jan 2018, 09:53 »
    Projeto da Semana #14

    O projeto selecionado foi Threatening Guilds, criado pelo membro . É um RPG feito no RPG Maker MV.

    *As imagens postadas no tópico do projeto são muito pesadas. Por este motivo, optamos por reduzir a qualidade da imagem deste tópico.

    ENREDO: 4Por Corvo: Apesar de se tratar de um fã game - pelos quais nutro um antigo preconceito - o enredo é bem trabalhado. Sabe-se exatamente o que está acontecendo e o que pode acontecer futuramente desde a introdução. Não considero essa previsibilidade algo ruim, pelo contrário. Ela mostra que a estrutura do enredo funciona.
    Por Revali: O enredo, embora seja em muitos momentos clichê, possui uma estrutura bem definida e consegue progredir de maneira natural e satisfatória. Em muitos momentos é extremamente fácil prever o que irá acontecer, passando a sensação de que você está apenas revendo algo que já viu antes e já sabe o que irá acontecer, entretanto tendo em mente que a proposta do jogo é seguir os padrões de Final Fantasy, afinal é um fangame, é fácil deixar de lado essa questão e aproveitar o desenrolar história, que apesar de previsível não deixa de ser interessante.
    Por Mistyrol: Dado ao fato de ser um fan game dos clássicos da série Final Fantasy, eu acabei não me importando tanto com o clichê da história. Chega a ser um tanto previsível o que vai acontecer, mas confesso que achei tudo bem estruturado e senti um ar nostálgico que fazia tempos que não encontrava nos projetos que venho jogando.

    PERSONAGENS: 4Por Corvo: Eu gosto de personagens clichês. Desde os primórdios dos estudos sobre narrativa acontece uma espécie de seleção natural que diferencia os personagens com quais os receptores se identificam mais facilmente dos outros. Já vi essas mesmas personalidades em inúmeros jogos/livros/filmes, mas se há algo que me agrada e saber o seguinte: este é o meu protagonista e vou jogar com ele até o fim. Hoje em dia os personagens se tornaram descartáveis -
     culpem o carinha das fanfics da Playboy. - então é bom ver o estilo antigo de volta.
    Por Revali: A mesma questão previsível do enredo se aplica aos personagens, eles possuem esteriótipos que já muito são conhecidos,  o que colabora ainda mais para a previsibilidade das cenas e das linhas de dialogo. De fato é muito fácil prever as ações dos personagens, mas elas acontecem de uma forma natural a qual conseguem satisfazer o jogador.
    Por Mistyrol: Gostei do que foi apresentado. Apesar de cada um deles seguir um esteriótipo bem manjado, eles ficaram bem representados e constantes até o fim da demonstração.

    MAPEAMENTO: 1.5Por Corvo: Uma das marcas de identidade da série Final Fantasy são seus mapas. Não apenas sua construção,
     mas seu estilo. Deixando todos os pontos referentes à ambientação de lado, os mapas do jogo não me passaram essa essência.
    Por Revali: De certo foi o ponto que mais me decepcionou no jogo. Houve uma grande falta de padronização e os gráficos poderiam ter sido selecionados de maneira mais coerente. Alguns mapas são bem detalhados e outros totalmente vazios.  Uma boa ideia seria compactá-los, quase todos são muito maiores do que precisavam ser. Aliás, uma coisa que me incomodou muito relacionado a seleção dos gráficos é que as árvores são grandes e as casas minúsculas(quase menores que os personagens).
    Por Mistyrol: Fiquei um tanto decepcionado nesse quesito. Entendo que para seguir a base do fan game é preciso ser fiel ao original, no entanto, dava para dar uma caprichada maior nos detalhes e, de certa forma, arrumar os erros que tinham na série original.

    INTERFACE: 3Por Corvo:  Simples, mas prático. Creio que teria sido uma boa opção seguir o padrão da tela de título. Os menus me parecem mortos em comparação à ela. Quanto ao design das batalhas, acho interessante a tela focar nas ações dos personagens, mas isso apenas ressalta o vazio da tela. E falando na tela, gostaria de citar que o autor não pergunta ao jogador se ele quer iniciar em tela cheia. Em máquinas mais lentas - como é o meu caso - minimizar e maximizar a janela de um jogo feito no MV é um desafio, preciso torcer para o jogo não trave a cada tentativa.
    Por Revali: Cumpre bem o seu papel. Sendo uma interface simplificada tudo funciona como deveria, o background  dos menus realmente caiu muito bem e combina com o jogo. Uma pena ser o background o aparente responsável por um dos crashs do jogo, que ocorre quando se tenta acessar a opção Grupo no menu, ao visto o autor esqueceu-se de colocar a imagem na pasta do jogo.
    Por Mistyrol: Levando em consideração que o básico foi aplicado, não há muito o que falar sobre esse ponto. Contudo, gostei da imagem utilizada como background para o menu principal e ela ficou muito harmoniosa com o restante dos elementos. Nessa caso, o menos foi mais.

    JOGABILIDADE: 2.5Por Corvo: O foco da jogabilidade são as batalhas e o autor também não pergunta se o jogador quer ver o tutorial. Ao menos este é bem rapidinho. Aqui eu fico em dúvida. A batalha está legal, mas falta alguma coisa. Eu não saberia explicar o que é exatamente, mas não é como se fosse um Final Fantasy, fica clara a tentativa de reproduzir a batalha de outros jogos. Poderia ser a falta de harmonia no visual da cena, as animações não muito bem adaptadas, algo do tipo.
    Por Revali: A parte da jogabilidade fora das batalhas é apenas o pão com ovo que já estamos acostumados a ver nos jogos mais padrões criados na engine, porém, é dentro das batalhas que o jogo tem seu ponto mais alto. As batalhas não são necessariamente uma proeza, mas são elas, sem dúvidas, a parte mais interessante do jogo. Os gráficos dos personagens são bonitos, mas suas animações poderiam ter sido mais bem trabalhadas. Porém, fora isso, o funcionamento das batalhas é bem fluído, traz uma gama de opções interessantes e mostra muito potencial para momentos posteriores do jogo.
    Por Mistyrol: Foi tudo muito simples, mas bastante fluido. Por ser um jogo de RPG Maker os sistemas foram bem implantados e funcionaram naturalmente. Porém, é preciso rever esse ponto: quando seleciona a opção "Grupo" no menu, acontece um erro que nos obriga a reiniciar o jogo.

    TRILHA SONORA: 1.5Por Corvo: O estilo das músicas varia muito durante a demonstração. É como se o autor tivesse escolhido arquivos aleatoriamente sem considerar nada sobre os mesmos.
    Por Revali: A seleção das músicas ficou interessante, porém o jogo peca por misturar músicas de qualidades muito diferentes, a discrepância de qualidade é muito grande em alguns momentos.
    Por Mistyrol: Achei legal a ideia de utilizar algumas músicas dos jogos da série. Não sei se foi uma referência intencional ou se foi por força do acaso, mas a ideia foi bacana. Entretanto, misturar as músicas do jogos com as músicas do RTP não ficou tão natural quanto imaginei que ficaria, além de maior parte do peso do jogo (que é grande) ser de músicas não utilizadas.

    NOTA GERAL: 4.5Por Corvo: Até eu concordo que traduzir o título para Última Fantasia - na melhor das hipóteses - seria um ultraje. Nesse caso, penso que a melhor opção seria manter o jogo em inglês - até para evitar nomes como esunar, uma mistura de aportuguesamento com internetês que dá nós na garganta. O tamanho do jogo está acima do ideal, descompactado temos quase 500MB não justificados, mas apesar disso é um bom projeto. Falta o bom e velho polimento, mas inicialmente está bem legal.
    Por Revali: É um jogo dentro da média, mas que vai um pouco - apenas um pouco - além do que se espera. Minha maior queixa certamente seria quanto a performance que, por se tratar do RPG Maker MV, não é nem um pouco boa, o que mais me incomodou foi a demora que algumas músicas tiveram para carregar. Mas é um jogo que se esforça para funcionar e consegue manter o jogador interessado em jogá-lo até o final.
    Por Mistyrol: Achei muito bacana. Enquanto testava eu tive a impressão de estar jogando um Final Fantasy, e para um fan game isso é muito bom. No fim das contas, são pequenos erros que acontecem em todo processo de desenvolvimento que precisam ser arrumados para que ele se destaque mais.

    Dadas as avaliações, este jogo foi categorizado como RANK C !

  • *

    24 mensagens

  • Ontem às 09:38 »
    Projeto da Semana #15

    O projeto selecionado foi Dead File - Origem, criado pelo membro . É um RPG feito no RPG Maker VX.


    ENREDO: 4Por Mistyrol: Não posso negar que assim que se começa a demo surge aquela velha sensação de "já vi isso antes". Esse tema de vírus e destruição mundial raramente difere de enredo para enredo, e eu não acho que o tema em si seja um problema — o reino ameaçado por demônios e protegidos por cristais também é um tema saturado, e nem por isso é ruim. No entanto, apesar de ser manjado, o enredo foi bem estruturado e eu percebi um certo cuidado do autor em deixar a história fluida e simples de entender.

    PERSONAGENS: 1Por Mistyrol: Infelizmente foi a parte que mais me decepcionou no jogo todo. No final das contas todos eles possuem a mesma essência, suas personalidades seguem o mesmo padrão. Não sei dizer se é exatamente por conta dos personagens rasos, mas os diálogos acabam soando robóticos e pouco naturais. Além disso, é preciso revisar os textos pois existem muitos erros gramaticais.

    MAPEAMENTO: 8Por Mistyrol: Na minha opinião o melhor ponto de todo o projeto. Os mapas foram muito bem ambientados e os gráficos utilizados se misturam de forma muito harmoniosa uns com os outros. Não encontrei erros de passabilidade e a iluminação faz um belo trabalho também, deixando os ambientes ainda mais naturais.

    INTERFACE: 5Por Mistyrol: Nota-se um cuidado especial do desenvolvedor nesse quesito. A interface geral do jogo é bonita e chamativa, mas o menu principal destoa um pouco do restante dos elementos. No entanto, as imagens utilizadas dão um toque especial para a jogabilidade, principalmente a ideia dos arquivos. Um ponto que merecia um pouco mais de atenção é a batalha, que ficou com o padrão da engine e não seguiu o novo padrão criado pelo desenvolvedor. E por falar em padrão, as faces que representam os personagens não condizem em quase nada com os gráficos utilizados para os charsets.

    JOGABILIDADE: 4Por Mistyrol: Em geral não há nada de tão inovador, contudo, os sistemas implantados no projeto, apesar de serem um tanto simples não deixam de cumprir bem a missão que lhes é atribuída. Um único porém disso tudo são as batalhas, em muitos casos cansativas e mal balanceadas (não chegam a serem difíceis, mas os personagens causam pouquíssimo dano, e usar as habilidades equivale à usar o ataque padrão).

    TRILHA SONORA: 3Por Mistyrol: As músicas são boas e deixam uma ambientação mais tensa e marcante, porém, a maior parte do peso do projeto é proveniente desse quesito. As músicas acabam soando como se fossem sempre as mesmas (são boas,
     mas repetitivas).

    NOTA GERAL: 7Por Mistyrol: Gostei muito da proposta do jogo e acredito que seja um dos projetos mais bem trabalhados que vi nos últimos tempos. Ainda é preciso corrigir alguns erros (principalmente na revisão das falas), ajustar alguns pequenos pontos que sempre podem melhorar e o projeto, com certeza, será um dos melhores já feitos. Aliás, é importante rever a parte dos gráficos, pois isso só piora a caracterização dos personagens.

    Dadas as avaliações, este jogo foi categorizado como RANK B !

Páginas:
Ações